Sesimbra -

2007
Quem canta de galo quer poleiro

2006
Arrábida Patrimonio de uns, Patrimonio de todos

2005
Luísa Todi – O Canto Do Encanto De Catarina Da Rússia

2004
Atna, Heroína Da Nossa Gente

2003
O Trepa É Uma Festa Na Avenida

2002
Sebastião José de Carvalho E Melo – Um Terramoto Que Abalou Portugal

2001
Chiquinha Gonzaga – Uma História de Vida

2000
O Largo Dos Valentes

1999
Portugal…É O Que Está A Dar

1998
Fado A Alma Do Povo Português – Glória Ás Severas

1997
Samba Alegria De Oxalá

1996
Criança É Única Esperança

1995
Naufrágio do “Menino Deus”

1994
É-CU Mas É Nosso

1993
Amazónia, A Terra Não É Só Tua

1992
Mais Um Grito De Guerra

1991
Património Arquitectónico Re-Construído

1990
Ora Toma – Que Força É Essa

1989
Minha Língua É Minha Pátria

1988
Turismo Prata Da Casa

1987
O Sonho de Zimbra

1986
Sesimbra das Armações

1985
Universo Imaginário

1984
A Nossa Alegria Atravessou o Mar

1982 / 1983
ver galeria

1981
Brilho e Fantasia

1980
Aves do Paraíso

1979
Anos Vinte

 

Fale com o Trepa
 

Sinopse do Carnaval de 1986
Sesimbra das Armações

 

 
  2005  
 


De pé firme no Carnaval de Sesimbra, a Escola de Samba Trepa no Coqueiro inicia mais um ciclo no seu percurso. Abandona os enredos mitológicos e imaginários e começa a homenagear Sesimbra, o seu povo e os seus costumes.
“Sesimbra das Armações” cantava Sesimbra dos velhos lobos-do-mar, das suas artes piscatórias, homenageia o mar e tudo o dele provém.

Ficha Técnica:

Presidente: João Loureiro
Tema/Enredo: “Sesimbra das Armações”
Carnavalesco: João Luís Gatinho
Samba Enredo: Reinaldo Nunes
Director de Bateria: Reinaldo Nunes
Porta Estandarte: Carla Alves
Mestre Sala: Abdul Abdula



 

 
 

VÍDEO SAMBA TREPA NO COQUEIRO 1986


 
   
 


Letra Samba Enredo

vai, vai, vai, é melhor se segurar
vai, vai, vai, que o trepa vai passar bis

vai sesimbra
sesimbra ilumina o mar
com a luz do seu farol
ensinando aos navegantes
os caminhos dos recheados e do cais

pescador de outros tempos
guardiões das emoções
o teu povo vem cantar
a arte das velhas armações

e ô.. pró mar
os pequenos gigantes, com o amor dos amantes
ao primeiro grito do chamador
é õ... pescar
os tesouros brilhantes
nos bateis ofegantes
que vão ser paga do teu valor

alegria...
canta um povo contente
relembrando com a gente tua arte, sem igual
ramada no mar é sereia bis
que um povo semeia
p’ra glória do nosso carnaval, é carnaval

vai, vai, vai, é melhor se segurar
vai, vai, vai, que o trepa vai passar

 

 

© GRES Trepa no Coqueiro 2007 Filmaniac Audiovisuais