Sesimbra -

2007
Quem canta de galo quer poleiro

2006
Arrábida Patrimonio de uns, Patrimonio de todos

2005
Luísa Todi – O Canto Do Encanto De Catarina Da Rússia

2004
Atna, Heroína Da Nossa Gente

2003
O Trepa É Uma Festa Na Avenida

2002
Sebastião José de Carvalho E Melo – Um Terramoto Que Abalou Portugal

2001
Chiquinha Gonzaga – Uma História de Vida

2000
O Largo Dos Valentes

1999
Portugal…É O Que Está A Dar

1998
Fado A Alma Do Povo Português – Glória Ás Severas

1997
Samba Alegria De Oxalá

1996
Criança É Única Esperança

1995
Naufrágio do “Menino Deus”

1994
É-CU Mas É Nosso

1993
Amazónia, A Terra Não É Só Tua

1992
Mais Um Grito De Guerra

1991
Património Arquitectónico Re-Construído

1990
Ora Toma – Que Força É Essa

1989
Minha Língua É Minha Pátria

1988
Turismo Prata Da Casa

1987
O Sonho de Zimbra

1986
Sesimbra das Armações

1985
Universo Imaginário

1984
A Nossa Alegria Atravessou o Mar

1982 / 1983
ver galeria

1981
Brilho e Fantasia

1980
Aves do Paraíso

1979
Anos Vinte

 

Fale com o Trepa
 

Sinopse do Carnaval de 1992
Mais Um Grito De Guerra

 

 
  2005  
 


Em 1992 o GRES Trepa no Coqueiro dava o seu “grito de guerra” contra as guerras dos Homens, a violência, a fome e a miséria.
Um basta!!! cantado em tom alto e firme para que todos ouvissem o grito de guerra contra nós mesmos, para que parássemos para pensar no nosso percurso.
Uma chicotada psicológica que deixou marcas em todos.

Ficha Técnica:

Presidente: João Loureiro
Presidente da Assembleia: Carlos Pulquério
Tema/Enredo: “Mais Um Grito De Guerra”
Carnavalesco: João Luís Gatinho
Samba Enredo: Mário João Sargedas
Director de Bateria: Mário Rui
1º Porta Estandarte: Ana Melo
2º Porta Estandarte: Andreia Florido
1º Mestre Sala: José Coelho
2º Mestre Sala: João Paulo Oliveira
Chefes de Alas: Sandra Cancela, , Maria Lucinda, Eduardo Cunha, João Gatinho, Alexandre Pinto

 

 
 

VÍDEO SAMBA TREPA NO COQUEIRO 1992


 
   
 


Letra Samba Enredo

no ar, no mar, na terra
o homem se mata
desde que nasceu

num mundo sempre em guerra
há gente que nem sabe
se quer porque morreu

eu vou gritar...

agora eu vou gritar
mais um grito de guerra
agora e vou lutar bis
p’la verdade e p’lo amor
p´las raízes desta terra

eu quero... sambar
sambar n’avenida... viver
viver felicidade
eu quero amar meu irmão

vamos acabar com a guerra
no mundo e na nossa terra bis
e no nosso coração

 

 

© GRES Trepa no Coqueiro 2007 Filmaniac Audiovisuais