Sesimbra -

2007
Quem canta de galo quer poleiro

2006
Arrábida Patrimonio de uns, Patrimonio de todos

2005
Luísa Todi – O Canto Do Encanto De Catarina Da Rússia

2004
Atna, Heroína Da Nossa Gente

2003
O Trepa É Uma Festa Na Avenida

2002
Sebastião José de Carvalho E Melo – Um Terramoto Que Abalou Portugal

2001
Chiquinha Gonzaga – Uma História de Vida

2000
O Largo Dos Valentes

1999
Portugal…É O Que Está A Dar

1998
Fado A Alma Do Povo Português – Glória Ás Severas

1997
Samba Alegria De Oxalá

1996
Criança É Única Esperança

1995
Naufrágio do “Menino Deus”

1994
É-CU Mas É Nosso

1993
Amazónia, A Terra Não É Só Tua

1992
Mais Um Grito De Guerra

1991
Património Arquitectónico Re-Construído

1990
Ora Toma – Que Força É Essa

1989
Minha Língua É Minha Pátria

1988
Turismo Prata Da Casa

1987
O Sonho de Zimbra

1986
Sesimbra das Armações

1985
Universo Imaginário

1984
A Nossa Alegria Atravessou o Mar

1982 / 1983
ver galeria

1981
Brilho e Fantasia

1980
Aves do Paraíso

1979
Anos Vinte

 

Fale com o Trepa
 

Sinopse do Carnaval de 1994
É-CU Mas É Nosso

 

 
  2004  
 


Este foi um dos mais instigantes enredos do GRES Trepa no Coqueiro.
Portugal, País milenar, potência económica e militar em áureos tempos passado's, dono de metade do Mundo.
Histórias únicas e incontornáveis de bravura vendidas por um punhado de “subsídios” o GRES Trepa no Coqueiro disse que… assim não!!!.
Assim não queremos Europa

Ficha Técnica:

Presidente: João Loureiro
Presidente da Assembleia: Carlos Pulquério
Tema/Enredo: “É-CU Mas É Nosso”
Carnavalesco: João Luís Gatinho
Samba Enredo: Mário João Sargedas
Director de Bateria: Carlos Guilherme Rodrigues
Porta Estandarte: Lucinda Simões
Mestre Sala: Joaquim José Simões
Chefes de Alas: Sandra Cancela, , Maria Lucinda, Eduardo Cunha, João Gatinho, Alexandre Pinto


 

 
 

 

 
   
 

 

Letra Samba Enredo

cheguei
p´ra botar a verdade na avenida
cheguei
p´ra dizer a todo o mundo quem eu sou

sou português
filho de afonso i
herdei a terra
não vendo nem dou

é-cu, é-cu
mas este é nosso
é-cu, é-cu
vão vender o que é vosso

o peixe
está indo borda fora
os barcos
estão indo p´ra abater

e a gente aqui
bem cá por baixo
pode ficar a ver

a fruta vem toda de fora
a nossa aqui
à ‘podrecer

cuidado minha gente
digo eu
olha que as estrelas
não caem do céu

são as minas fechadas
teares parados
a gente quer trabalhar

não nos vendem a terra
muito menos a alma
temos muita coisa p´ra dar

ai... minha bandeira
está ficando debotada d’azul
aquele verde bonito desmaiou
vermelho sangue, esqueci quem derramou

p´ra frente
a terra é nossa
p´ra frente minha gente
tem muito valor

 

 

© GRES Trepa no Coqueiro 2007 Filmaniac Audiovisuais