Sesimbra -

2007
Quem canta de galo quer poleiro

2006
Arrábida Patrimonio de uns, Patrimonio de todos

2005
Luísa Todi – O Canto Do Encanto De Catarina Da Rússia

2004
Atna, Heroína Da Nossa Gente

2003
O Trepa É Uma Festa Na Avenida

2002
Sebastião José de Carvalho E Melo – Um Terramoto Que Abalou Portugal

2001
Chiquinha Gonzaga – Uma História de Vida

2000
O Largo Dos Valentes

1999
Portugal…É O Que Está A Dar

1998
Fado A Alma Do Povo Português – Glória Ás Severas

1997
Samba Alegria De Oxalá

1996
Criança É Única Esperança

1995
Naufrágio do “Menino Deus”

1994
É-CU Mas É Nosso

1993
Amazónia, A Terra Não É Só Tua

1992
Mais Um Grito De Guerra

1991
Património Arquitectónico Re-Construído

1990
Ora Toma – Que Força É Essa

1989
Minha Língua É Minha Pátria

1988
Turismo Prata Da Casa

1987
O Sonho de Zimbra

1986
Sesimbra das Armações

1985
Universo Imaginário

1984
A Nossa Alegria Atravessou o Mar

1982 / 1983
ver galeria

1981
Brilho e Fantasia

1980
Aves do Paraíso

1979
Anos Vinte

 

Fale com o Trepa
 

Sinopse do Carnaval de 2002
Sebastião José de Carvalho E Melo – Um Terramoto Que Abalou Portugal

 

 
  2005  
 


Sebastião José de Carvalho e Melo, o Marquês de Pombal.
A sua acção “abanou” mais Portugal do que o próprio Terramoto de 1755. Implacável e duro nas decisões, foi o grande arquitecto da Baixa Pombalina. “Arrumou “ a cidade em poucos anos devolvendo-lhe o brilho de uma grande capital europeia. A sua acção estendeu-se a todo o país e a todo o Mundo Português.

Ficha Técnica:

Presidente: Jorge Farinha
Presidente da Assembleia: João Carlos Rosa
Tema/Enredo: “Sebastião José de Carvalho E Melo – Um Terramoto Que Abalou Portugal”
Carnavalesco: Paulo Macedo
Samba Enredo: Luís Taklin
Director de Bateria: João Paulo
Porta Estandarte: Sandra OLiveira
Mestre Sala: Paulo Macedo
Madrinha de Bateria: Ana Isabel Gronito
Chefes de Alas: Daniela Martins, Graça Antanças, Carla Figueiredo, Irene, Isabel Luz, Júlia Gonçalves, Emília Farinha, Eduardo Cunha Fernando Pinto

 

 
 

VÍDEO TREPA NO COQUEIRO 2003

 
   
 

 

Letra Samba Enredo


Foi no primeiro de novembro
em tempos que não lembro
nem podia me lembrar
o tejo arrasou com a capital
numa onda magistral
que surgiu sem avisar

a terra tremeu no sul de portugal
sem memória de outra coisa igual
só o marquês ficou de pé
para ofuscar a s. josé

manda levantar nova cidade
projectada sem vaidade
p´ra mostrar seus ideais
p´ra não se notar que a sociedade
na realidade tem camadas desiguais

enquanto isso dá no jesuíta
expulsando a ordem para fora do país
nosso ministro sempre quis
governo de sua justiça

faz inaugurar a nova praça do terreiro
com pompa e circunstância para povo
o que o homem tem de homem novo
tem também de calculista derradeiro

sebastião de carvalho e melo
hoje vens de verde e amarelo
lembrando tempos de então

e o trepa na avenida
mostra o marco de uma vida
que deixaste em lisboa

mas a obra ainda contínua
fala o povo em toda a rua
de belém a madragoa

soberano na avenida
hoje o trepa vem contar
a história do marquês
tudo aquilo que ele fez
p´ra sesimbra relembrar

soberano na avenida
nosso trepa vem mostrara
que até o do pombal
p´ra sambar no carnaval
vai descer do pedestal

 

 

© GRES Trepa no Coqueiro 2007 Filmaniac Audiovisuais